Hoje vamos falar sobre um assunto tido como polêmico e que convive com o preconceito enraizado na sociedade: a deficiência intelectual. O Brasil tem quase 46 milhões de pessoas com deficiência, segundo o último censo realizado pelo IBGE (2010). Destes, quase 3 milhões são deficientes intelectuais em algum grau. Ao contrário do que muita gente pensa, a limitação da inteligência característica deste problema não impede que essas pessoas levem uma vida normal: podem estudar, trabalhar, se divertir ou namorar. Mas para tudo isso acontecer com qualidade, é necessário o apoio de seus familiares, de profissionais capacitados, da escola e da comunidade que o cerca. 

Para ajudá-las melhor, é preciso que essas pessoas de um modo geral, conheçam mais a fundo sobre esse tipo de deficiência, elimine suas dúvidas e aprendam como lidar com quem convive com ela. Um dos meios mais seguros de saber tudo acerca dessa temática é pelos conteúdos de cursos online. Muito bem aceitos atualmente, os cursos EAD trazem uma abordagem didática e aprofundada a respeito de várias áreas de atuação, incluindo assistência social, saúde e educação.

No que se trata deste assunto, aqui no Enfoque Capacitação você encontra o curso Deficiência Intelectual, uma das capacitações mais requisitadas do portal. Por fazer tanto sucesso, o curso ganhou uma reformulação do setor pedagógico para atender uma demanda ainda maior e ensinar com muito mais eficiência. Ao todo são 5 tópicos essenciais e mais o conteúdo complementar, que exibe peculiaridades dessa condição global.

Se você desenvolve trabalhos com pessoas deficientes ou quer ajudar alguém na família, considere fazer o curso Deficiência Intelectual. Ele pode ser uma alternativa para melhorar seus conceitos, além do atendimento e cuidados para com esse público. Preparamos este artigo para mostrar a você muitas informações pertinentes a esse tema e como os cursos online com certificado são excelentes formas de conhecer mais amplamente e ainda elevar seu nível profissional. Acompanhe.

Cursos relacionados que podem te interessar:

Conceito de deficiência intelectual

Segundo a AAIDD (Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento), a deficiência intelectual se caracteriza por um funcionamento mental inferior à média, o que conhecemos popularmente por QI. Para que uma pessoa seja diagnosticada com esse tipo de déficit, deve apresentar limitações adaptativas em pelo menos duas áreas de habilidades, sendo elas: comunicação, autocuidado, vida no lar, adaptação social, saúde e segurança, uso de recursos da comunidade, determinação, funções acadêmicas, lazer e trabalho. Geralmente esses impedimentos se manifestam antes dos 18 anos de idade.

Uma pessoa com deficiência intelectual sofre com dificuldades de aprender, entender e fazer atividades que são corriqueiras para todo mundo, como amarrar os sapatos, escovar os dentes ou vestir suas próprias roupas. Por conta desse atraso no raciocínio, elas se mostram com um comportamento semelhante a pessoas mais novas do que elas. Sendo assim, elas precisam de um acompanhamento profissional e apoio familiar para poder ultrapassar suas barreiras e aprender no tempo certo.

É preciso entender que essas pessoas podem adquirir capacidades assim como as outras. Contudo, elas demandam um tempo maior para aprender e realizar todas elas. Todas têm a chance de estudar da mesma maneira, praticar esportes ou fazer os mesmos programas sociais, por exemplo. Elas só precisarão fazer tudo isso no ritmo delas e, às vezes, com a ajuda de alguém.

Por isso que é muito importante que elas tenham ao seu lado pessoas sensíveis e esclarecidas para lidar com as diferentes fases e situações vividas por elas. No tópico número um do nosso Curso Deficiência Intelectual é evidenciado o que é deficiencia intelectual, além das características conceituais do problema, ambos conhecimentos primordiais para qualquer assistente social, enfermeiro, cuidador ou educador. Essa é a base de tudo para trabalhar com essas pessoas conferindo um atendimento de excelência.

Causas mais comuns

Um dos desafios que a deficiência intelectual propõe é o seu diagnóstico. Quando os pais percebem certas atitudes em seus filhos, desejam entender claramente a origem ou identificar uma causa específica para essa deficiência. Todavia, de acordo com a APAE de Limeira (SP) em cerca de 40% dos casos não é possível determinar exatamente o que causa a deficiência. Entretanto, o órgão explica que existem fatores de risco multifatoriais, compostos destas quatro categorias:

  • Fatores biomédicos: distúrbios cromossômicos e genéticos, síndromes genéticas, distúrbios metabólicos, doenças maternas; prematuridade; distúrbios neonatais; lesão ao nascimento; lesão cerebral traumática; distúrbios convulsivos, entre outros.
  • Fatores comportamentais: uso de álcool na gestação; uso de drogas pelos pais, imaturidade dos pais, rejeição dos pais ao cuidado da criança; abandono da criança pelos pais; abuso e negligência da criança; violência doméstica, etc.
  • Fatores sociais: falta de estímulos; má-nutrição materna; violência doméstica; falta de acesso ao cuidado pré-natal; falta de acesso aos cuidados no nascimento; falta de estimulação adequada; institucionalização, entre outras causas.
  • Fatores educacionais: deficiência intelectual dos pais; falta de preparação para ser pais; diagnóstico tardio; serviços educacionais inadequados; apoio familiar inadequado; falta de encaminhamento para estimulação precoce, etc.

Como ela se manifesta no dia a dia?

Bom, agora que você já compreendeu o que é deficiência intelectual, vamos abordar os principais sinais que ela manifesta. Na infância, por exemplo, é muito comum que não haja interesse por quase nada, surgir medos dos mais variados tipos e frustrações. Quanto antes o transtorno for descoberto, mais vantajoso será o tratamento, pois oferecerá mais qualidade de vida. Conheça abaixo os principais sintomas:

  1. Atraso no desenvolvimento: quando a criança apresenta dificuldades para se desenvolver em comparação com outras crianças de sua idade, pode ser sinal de que algo não vai bem. Isso não é regra, mas se a diferença for crescente é indicado procurar um especialista.
  2. Falta de interesse: crianças são curiosas e isso é completamente natural. Portanto, quando se tem algum dos tipos de de deficiência intelectual, tal indivíduo fica alheio ao ambiente, aos colegas, etc. 
  3. Isolamento familiar: uma criança ou adolescente pode se afastar do convívio direto com os pais por diversas causas. Quando esse afastamento é intenso ou repentino pode ser um sinal de que ele precisa de ajuda.
  4. Problemas de aprendizado: antes de começar o ensino fundamental, os pais devem ficar atentos ao desenvolvimento de seu filho quanto ao aprendizado escolar. Observar se ele está acompanhando a alfabetização, os conhecimentos básicos em matemática, se consegue usar o lápis ou tesoura, não reconhece cores, formas, tem dificuldades para memorizar fatos, entre outros, é muito importante.
  5. Medo excessivo e irritabilidade: quando há um processo lento de desenvolvimento da cognição, as crianças tendem a ter mais receios e medos, e ainda apresentar irritabilidade com qualquer pessoa. É difícil para eles controlar as emoções.

Lembrando que é mais comum que essas características apareçam entre a infância a e adolescência, portanto, pode ser mais fácil de identificar no convívio com os familiares ou até mesmo na escola. É muito importante a atenção máxima desses profissionais, pois eles podem evitar que o jovem sofra preconceitos ou uma estagnação no aprendizado. Os cursos online com certificado surgem para ajudar nesse sentido, vale a pena conhecer e aplicar as técnicas aprendidas.

Os cursos online também são altamente válidos para profissionais de saúde, que devem fazer parte do tratamento cognitivo, sensorial e motor desses pacientes. A criança diagnosticada com deficiência Intelectual precisa ser atendida por uma equipe multidisciplinar, com pediatras, fonoaudiólogos, assistentes sociais, psicólogos, pedagogos, entre outros. 

curso online deficiência intelectual

Tipos de deficiência intelectual

Você viu que as causas destas limitações na inteligência podem ser variadas e, às vezes, nem são descobertas. Contudo, após a certeza de que a pessoa tem deficiência, são feitas análises das características clínicas para saber ao certo qual é. Existem muitos tipos de deficiência intelectual e suas variações, mas os principais são:

  • Síndrome de Down: é a deficiência intelectual mais frequente no mundo todo. Atinge 1 a cada 600 bebês nascidos vivos e as chances aumentam com a idade da gestante. Existem três possibilidades de uma criança nascer com Síndrome de Down: quando a célula sofre alteração acidentalmente, hereditariamente ou quando possui uma linhagem de células normais e uma trissômica. As pessoas com essa síndrome podem ser identificadas por características físicas, além das intelectuais, como cabelos lisos, baixa estatura, tendência à obesidade, alteração nas pregas das mãos e pés, etc.
  • Síndrome do X-Frágil: apesar de não ser muito retratada pela mídia, este é um dos tipos de deficiência intelectual mais frequentes. Afetando preferencialmente pessoas do sexo masculino, esse transtorno se caracteriza principalmente pelo comportamento agitado, arredio, isolado, chegando até a lembrar um grau de Autismo.
  • Síndrome do Cri du chat: o nome da síndrome faz referência a "miado de gato". Isso por que pode ser diagnosticado pelo choro característicos dos bebês, que é semelhante ao som dos felinos. Esse problema ocorre devido à malformação da laringe. A partir disso, vão surgindo outros comprometimentos intelectuais.
  • Síndrome de Prader-Willi: assim como a Síndrome de Down, a de Prader-Willi também ocorre na concepção. Afeta meninos e meninas e os sintomas podem variar de intensidade de indivíduo para indivíduo. A obesidade é um dos principais sinais, mas eles também podem apresentar dificuldade de sugar, pouca energia, desenvolvimento neuro-motor lento.

Os variados tipos de deficiência intelectual também são abordados em cursos EAD. Em nosso Curso Deficiência Intelectual há um módulo voltado para explicar de forma bem abrangente as características de cada síndrome, as formas mais fáceis de diagnosticar, como os pais podem procurar auxílio e ainda as atividades para alunos com deficiência intelectual de acordo com o tipo.

Níveis de deficiência intelectual

Existem diferentes correntes para determinar o grau da deficiência intelectual, mas as técnicas psicométricas são as mais utilizadas hoje em dia. Elas consistem na medição do QI para a classificação de cada grau. A Organização Mundial de Saúde (OMS) inseriu os níveis em uma tabela para melhor compreensão e favorecimento dos diagnósticos, considerando o coeficiente de inteligência, veja:

  • Entre 52 a 67: leve, com idade mental correspondente de 7 a 12 anos.
  • Entre 36 e 51: moderado, com idade mental correspondente de 2 a 7 anos.
  • Entre 20 e 35: agudo grave, com idade mental correspondente de 0 a 2 anos.
  • Menor de 20: profundo, com idade mental correspondente de 0 a 2 anos.

Além do QI, existem as definições da intensidade do problema, que pode variar de pessoa para pessoa e apresentar sintomas variados. Todas essas informações, vale saber, também estão presentes no curso Deficiência Intelectual aqui do portal. Conheça um pouco sobre elas:

  • Limite ou Bordeline: quem se enquadrar neste nível pode nem apresentar os principais sintomas das deficiências intelectuais e revelar apenas um ligeiro atraso nas aprendizagens ou dificuldades específicas. É mais difícil de diagnosticar. 
  • Ligeiro: segundo a definição oficial, são aquelas que sofrem com problemas de origem cultural, familiar ou ambiental. Apresentam um atraso mínimo nas áreas perceptivo-motoras, porém, não exibem dificuldades em se relacionar, por exemplo.
  • Moderado ou Médio: neste nível estão as pessoas que mostram maiores dificuldades que os anteriores. Aprendem, geralmente, a se comunicar pela linguagem verbal, mas muitas vezes possuem dificuldades na expressão das palavras e no convívio social. Seu desenvolvimento motor é regular.
  • Severo ou Grave: os indivíduos com esse grau de deficiência intelectual necessitam de maior atenção, pois seu nível de autonomia pessoal e social é muito baixo. Os problemas psicomotores são significativos.
  • Profundo: quem se enquadra nesse nível tem o desempenho das funções básicas totalmente comprometido, apresentando problemas graves sensório-motores, de comunicação e interação. Eles dependem de outras pessoas para desenvolver atividades básicas e raramente conseguem adquirir alguma autonomia.

É preciso ficar atento acerca dos tipos de deficiência intelectual, pois cada um pode abrir um leque de graus possíveis de causas e consequências para a rotina e para a qualidade de vida. Profissionais de saúde devem ficar atentos a essas referências, já que elas são imprescindíveis para constatar qualquer problema nos pacientes. Há também outros cursos a distância que podem complementar o conhecimento nesse setor, como o Curso Online Desenvolvimento de Pessoas com Deficiência Mental - Fundamentos Gerais‍. Que tal colocar entre seus favoritos para aprender o mais breve possível? 

cursos online sobre deficiência intelectual

Como deve ser feita a inclusão

O que ainda não falamos, mas que é extremamente importante é que todas as pessoas com deficiência estão asseguradas pela legislação, incluindo as de nível intelectual. Trata-se da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Em seu Art. 1o, é exposto que ela é "destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania". 

Desta forma, a sociedade e as organizações devem compreender que as pessoas com qualquer tipo de deficiência devem ser tratadas com igualdade e respeito, bem como participar dos mesmos ambientes sem distinção. É essencial também que a própria família saiba disso, já que ainda há muitas pessoas que negam tutela e ajuda quando descobrem o problema.

O papel das escolas 

O direito à educação das pessoas com deficiência está garantido pela Lei nº 7.853, de 1989, e foi atualizada 10 anos depois por meio do Decreto nº 3.298. No documento, há designada a responsabilidade dos órgãos e das entidades do Poder Público de assegurar a esse público o pleno exercício de seus direitos básicos, inclusive os de educação. Deve ser tudo oferecido igualmente com a finalidade de resgatar o bem-estar pessoal, social e econômico.

Portanto, as escolas brasileiras de ensino regular, tanto públicas quanto particulares, devem ter os recursos necessários para oferecer diversas possibilidades de aprendizagem e acolher todos os alunos, sem discriminar aqueles que têm deficiências, sejam elas físicas, intelectuais ou múltiplas dentro das salas de aula. De acordo com o Censo Escolar, do Inep, subiu de 114.834 para 750.983 o número de estudantes especiais que convivem com os demais alunos em escolas convencionais. Há cerca de 30/40 anos atrás essa realidade estava muito distante, pois achava-se que essas pessoas deviam ser isoladas do "mundo".

O aumento captado pela pesquisa se deve, de acordo com matéria do Portal G1, sobretudo pelas mudanças na mesma legislação citada acima. A mais recente, endossada pelo Supremo Tribunal Federal em 2016, confirma a proibição de escolas cobrarem taxas extras nas mensalidades das crianças com deficiência. Você sabia que isso acontecia em diversas instituições do Brasil? Mas graças à movimentação dos familiares e organizações engajadas nessa luta esse cenário está mudando.

À mesma publicação, Maria Teresa Mantoan, coordenadora do Leped (Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diferença), explica que o avanço da inclusão escolar pode ser explicado tanto por políticas públicas como por leis e mudança de mentalidade da população. “O que vemos é a grande força dos pais, no sentido de terem entendido a importância de os filhos serem educados junto com os outros, na mesma escola”, explica a professora. “As famílias de crianças sem deficiência também acharam boa essa convivência com a diferença", uma ótima percepção, não é mesmo?

Qualificação dos professores

Apesar de ter aumentado o número de matriculados nas escolas e de haver uma lei que proteja os direitos dos deficientes, a deficiência intelectual tende a ser a mais discriminada no Brasil, até mesmo dentro das escolas. Para que a inclusão social seja feita, é preciso muito mais que simplesmente seguir a legislação.

É necessário ter profissionais capacitados para receber esse público, pois ele terá mais dificuldades de aprender até mesmo questões mais simples. Ao receber alunos com deficiência em uma classe, o professor tem a missão de sociabilizá-lo, incluí-lo perante toda a classe e a rotina escola, elaborar atividades para alunos com deficiência intelectual e mostrar aos demais o valor da diversidade.

Nesse sentido, os cursos a distância podem funcionar como instrumentos de qualificação para educadores. Um dos cursos online mais procurados e considerado 5 estrelas aqui do portal, inclusive, é o curso Educação Especial Inclusiva. Ele é supercompleto e pode aperfeiçoar profissionais de educação a respeito do tema.

Os certificados do Enfoque Capacitação podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Tecnologia Assistiva

No caso do ensino para jovens com deficiência, o projeto pedagógico deve se adequar para facilitar o aprendizado deles. Isso pode ser feito, entre outras formas, por meio de Tecnologia Assistiva. Para quem não sabe, a T.A é um formato de ensino voltado especificamente para pessoas deficientes e contém materiais exclusivos para auxiliar em todas as atividades para alunos com deficiência intelectual.

Aqui no Enfoque Capacitação você também encontra cursos EAD sobre essas importantes ferramentas como o curso de Tecnologia Assistiva‍, que exibe com excelência todos os benefícios de tais instrumentos e serviços para a vida do deficiente como um todo. É um conceito ainda recente, mas que surgiu para fazer a diferença a quem realmente precisa.

Capacite-se em deficiência intelectual e contribua para a inclusão

A informação é a porta de entrada para a inclusão. Ao aprender conteúdos diversos você estará mais apto para cuidar, educar e ajudar pessoas com deficiência intelectual. Conte com a ajuda de cursos online com certificado para se conscientizar sobre o tema e auxiliar pessoas que realmente precisam.

Se você quer fazer parte disso, inscreva-se agora no Enfoque Capacitação. Além do curso Deficiência Intelectual, você encontra por aqui diversos cursos a distância para melhorar seu currículo e complementar conhecimentos valiosos. Investindo apenas R$69,90, você realiza qualquer curso que quiser durante o período de um ano. Incrível, não é mesmo?

Agora conte para a gente: gostou do artigo? Esse é um tema muito abrangente, mas esperamos ter esclarecido os principais tópicos. Se tiver qualquer dúvida, deixe um comentário abaixo que responderemos em breve. Até mais.