Você é daqueles ou daquelas que acha que basta uma graduação ou especialização em Psicologia para acreditar que sabe o suficiente para atuar na área? Muito provavelmente não, certo? Então reflita mentalmente: "Qual foi a última vez em que eu fiz uma especialização, um curso online, participei de algum simpósio, congresso ou mesmo estudei Psicologia por conta própria depois que me formei?" ou "Com que frequência eu assisto a vídeo-aulas, discuto temas com outros pares, leio livros ou assisto a filmes da minha área de atuação profissional?" Talvez você se assuste com o que dirá a si próprio.

Afinal, estar atualizado com o mundo da Psicologia nunca será o suficiente, pois novas descobertas, correntes de pensamento, teorias, estudos e pesquisas, ainda mais nas áreas da Saúde e Humanas, são realizadas diariamente no mundo todo. Independentemente do seu objetivo, você sabe a importância de se qualificar em um mercado cada vez mais competitivo, mas também com cada vez mais possibilidades de atuação profissional devido às novas pesquisas e descobertas e à ampliação da área de atendimento psicológico - seja nas diversas patologias clínicas ou mesmo para o autoconhecimento do paciente - já que a Psicologia não trata apenas as inúmeras doenças e transtornos mentais, mas ajuda as pessoas na análise de seus comportamentos, suas relações com os outros e consigo mesmas, levando a elas a possibilidade de uma vida melhor ou ao menos mais suportável diante de um mundo que, a despeito das novas facilidades advindas da tecnologia, parece sugar cada vez mais de nós.

Para motivá-lo(a) ainda mais nessa busca constante por qualificação profissional, listamos abaixo sete motivos para você sempre se atualizar na área da Psicologia. Ao final do texto, você verá que é mais fácil (e barato) do que se imagina. Basta apenas um pouco de força de vontade e dedicação. Com o tempo, os resultados virão.

1. Especializar-se em uma área

Não é de hoje que o mercado de trabalho vem exigindo profissionais cada vez mais qualificados. Uma parede com vários certificados agrega muito valor a qualquer profissional e não seria diferente na Psicologia. Mais do que poder cobrar mais caro - afinal, você investiu tempo e dinheiro se especializando - você se tornará referência naquele assunto específico e terá pacientes/clientes cada vez mais segmentados e que estarão dispostos a pagar por um atendimento de maior qualidade e especialização. Além de uma garantia maior no mercado, a especialização fará com que você tenha uma autoridade que a maioria de seus concorrentes não terá, o que é considerado um diferencial. E já é possível especializar-se online, via cursos de ensino à distância, com preços bastante acessíveis. Entre as principais vantagens de fazer cursos online estão os valores bem em conta (no caso do portal Enfoque Capacitação, ainda há a possibilidade de fazer quantos cursos quiser), o pouco tempo para a obtenção do certificado e a possibilidade de estudar quando, como e onde quiser, num PC ou mesmo pelo tablet e smartphone.

2. Conhecer outras abordagens da Psicologia

Diferentemente de outras áreas, não há uma única verdade na Psicologia. O profissional segue uma escola, uma linha de pesquisa, e passa a atender seus pacientes baseado naquela corrente de pensamento. Mas isso não é impedimento para que você não possa conhecer outras abordagens que, muitas vezes, podem complementar seu entendimento e mesmo auxiliar pacientes que talvez não se adaptem a determinadas correntes. Por exemplo: se você segue a linha cognitivo-comportamental, nada impede de também aprender mais sobre as linhas psicanalítica, analítica (ou Análise Junguiana), humanista, existencial-fenomenológica ou sistêmica ou mesmo terapias experimentais. E para você que acha que um curso online na área da psicologia trará apenas o básico da informação, é aí que se engana. Há opções de cursos com bom aprofundamento, seja você recém-formado(a) ou com anos de graduação.

Cursos relacionados que podem te interessar:

3. Estar por dentro das novidades da profissão

Com as novas tecnologias, sequenciamento de DNA e máquinas com uma capacidade cada vez maior de desvendar o cérebro humano, pesquisadores do mundo todo estão sempre publicando artigos, pesquisas e novas terapias, muitas experimentais, inclusive. E sempre há pacientes e clientes que, com uma rápida pesquisa no Google, podem ter acesso a algum material da área. Não é chato ser questionado(a) por algum deles sobre uma nova terapia, por exemplo, e ficar com aquela cara de "não sei do que se trata"? Afinal, todo paciente/cliente espera que você saiba mais do que ele sobre a sua área.

Um exemplo recente: Até maio de 2013 o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) estava em sua quarta versão. Nesse mesmo ano foi lançada a versão 5. O DSM-5 é um manual diagnóstico e estatístico publicado pela Associação Americana de Psiquiatria para definir como é feito o diagnóstico de transtornos mentais. Ele é utilizado por psicólogos, médicos e terapeutas ocupacionais. Desde a primeira versão, lançada em 1952, esse manual tem sido uma das bases de diagnósticos de saúde mental mais usados no mundo. Isso sem falar na rapidez cada vez maior com que testes e avaliações da área de Recursos Humanos são atualizados. Em muitos casos, um curso de pequena duração já é suficiente e é aí que o Ensino à Distância pode ser uma boa opção pela relação custo/benefício, já que são mais baratos e você pode estudar no seu ritmo. A Saúde Mental é outro bom exemplo de área que vem se desenvolvendo rapidamente. Com a redução da hospitalização de pacientes com transtornos mentais por meio de leis anti-manicomiais e também com a maior socialização de crianças com limitações físicas e mentais, através de leis inclusivas, os psicólogos vêm ganhando cada vez mais importância na reabilitação desses pacientes. Por outro lado, há também mais exigências por qualificações específicas nessas áreas. O próprio aumento da complexidade da Psicologia passa a exigir um acúmulo de conhecimento e, muitas vezes, uma maior interdisciplinariedade com outras áreas do conhecimento humano.

De fato a Psicologia tem evoluído muito, sobretudo nos últimos anos. Antes o que era considerado depravação sexual, como a questão da identidade de gênero e da homossexualidade, hoje já é algo discutido e tratado de forma diferente. Por outro lado, algumas patologias atuais, como a depressão, no passado eram tratadas como meras crises emocionais. E mesmo doenças há muito tempo diagnosticadas atualmente ganham diversas classificações, como é o caso de transtornos do espectro autista e algumas síndromes como Asperger. E o que falar dos "transtornos da era moderna" como a oscilação disruptiva do humor, a hipersexualidade e o vício da internet, por exemplo?

 

Antes de escolher que tipo de qualificação fazer e em qual área é importante que você esteja em sintonia com o que deseja para seu futuro profissional.

4. Agregar mais qualificações ao currículo

Muitos profissionais de Psicologia optam (ou o destino acaba os colocando nessa situação) por atuar em empresas e instituições educacionais, repartições públicas, hospitais, entre outros, nas áreas de Recursos Humanos, Coaching de Carreira, lecionando, pesquisando ou atendendo colaboradores e alunos. E é claro que nessas empresas e instituições é possível começar em um nível menor e ir galgando degraus, subindo de cargo e chegando a posições de gerência. E isso é conquistado, além do tempo de empresa e da dedicação pessoal, com uma boa bagagem de conhecimento e certificações. Aí, mais uma vez, a questão da relação custo x benefício deve vir à tona, pois o investimento deve ser proporcional à meta profissional que se deseja alcançar. Nesse caso, quanto mais estudo, melhor. Inclusive uma das vantagens dos cursos online do Enfoque Capacitação é essa: com um mesmo valor investido é possível realizar diversos cursos. Afinal, o que causa melhor impressão? Um currículo de uma página só ou um currículo recheado de cursos e qualificações?

5. Aumentar o networking

Sempre que você participa de um curso, workshop, palestra, congresso ou seminário, uma das melhores partes, além do conhecimento adquirido, é a quantidade e qualidade dos contatos que você faz. Bastam cinco minutos de conversa e troca de cartões para uma oportunidade profissional surgir. E não só na área de Psicologia. Você pode estar em um congresso de psiquiatras, fisioterapeutas, neurologistas ou qualquer outra área da Saúde e, a partir de um breve contato, receber indicações de pacientes. Portanto, nada de timidez. Esses eventos são feitos também com esse objetivo, portanto, aproveite-os! Tenha um bom estoque de cartões de visita e não tenha medo em fazer contatos. Estipule, por exemplo, uma meta de conhecer cinco profissionais que podem te indicar pacientes e chegue junto. Pode ser por indicação de algum contato em comum ou mesmo "na cara dura". Não só entre seus pares no evento, mas também com palestrantes e organizadores. Aliás, que tal aumentar o nível da "cara dura" e sugerir a um organizador que te contrate para uma palestra na próxima edição do evento? Claro que você não vai querer fazer feio e vai estudar como nunca para causar uma ótima impressão.

Nos sites do Conselho Federal de Psicologia (CFP) e dos conselhos regionais é possível acessar uma lista de eventos da área em todo o Brasil e mesmo no exterior. Também há uma página no Facebook chamada "Psicologia: congressos, cursos e eventos" e o site Mural Psicologia. Nossa sugestão é deixar esses links sempre na sua lista de Favoritos e consultá-los com certa periodicidade. Quem sabe não tem um encontro de profissionais da área próximo à sua casa? Se não tiver, que tal criar um encontro regional na sua cidade ou região? Aí é ganho triplo: o conhecimento adquirido no evento, o networking gerado pelos participantes mais a autoridade e reputação de ter sido a pessoa responsável pela organização do evento.

Os certificados do Enfoque Capacitação podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

6. Mudar de carreira

Nem todo psicólogo ou psicóloga sonha em ter seu consultório e viver disso pelo resto da vida. É possível mudar de carreira dentro da própria Psicologia. Se a sua graduação tinha uma determinada linha, por exemplo, clínica, mas você sente a necessidade de atuar em outra área como Psicologia Social ou Psicologia Hospitalar, por que não? Um curso complementar em outro segmento pode dar um novo rumo na sua carreira. Mas para não jogar dinheiro fora e ser um(a) profissional frustrado(a), é importante pesquisar as áreas que mais têm a ver com você aliadas, obviamente, às oportunidades do seu mercado. Se o que você quer fazer é coaching, por exemplo, pesquise sobre essa área, converse com algum profissional de renome e vá fundo. Se for neuropsicologia, consulte as instituições de ensino que oferecem o curso e escolha e que melhor te atenda.

Uma dica para testar se realmente é essa a área para a qual deseja migrar é fazer um curso online de curta duração primeiro. Eles são mais baratos e adaptáveis ao seu horário e lhe darão a bagagem necessária para uma melhor tomada de decisão quando optar em se aprofundar, com uma especialização formal e mais demorada, em uma determinada área. Assim você será mais assertivo(a) no investimento que fará

7. Conhecimento nunca é demais

Essa é uma dica bônus. Mesmo que seu objetivo não seja crescer profissionalmente, mudar de área ou ganhar mais, todo conhecimento é válido. É importante ter em mente que é possível aprender sem a necessidade de uma educação formal, em uma faculdade. Para isso há vários sites, livros, revistas e periódicos. Até mesmo com filmes e programas de TV e é possível aprender mais sobre Psicologia! No site Enfoque Capacitação, por exemplo, você encontra cursos online com temas bastante atuais como Bullying nas Escolas, Educação Especial Inclusiva, Sistema Único de Assistência Social (SUAS), Tecnologia Assistiva, Acolhimento Familiar e Institucional, Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD), Assédio Moral no Trabalho, Deficiência Intelectual, Autismo, Departamento Pessoal, Gestão de Recursos Humanos, Aperfeiçoamento em Deficiência Mental, Atendimento a Família de Pacientes com Câncer, Educação Inclusiva, Arteterapia na Terceira Idade e muito mais! 

E aí? O que te motiva a continuar sempre se aprimorando? Esperamos, com este artigo, ter te motivado a buscar sua qualificação agora mesmo. Mas isso vai muito do seu desejo e gosto em querer aprender, mais até do que da necessidade profissional ou financeira de aprimorar seus conhecimentos. Afinal, se você é psicólogo(a), sabe que estagnação é uma palavra que não cabe na vida de ninguém. Agora só depende de você. O cérebro está em constante aprendizado, e nós, com ele.

Comente abaixo como este artigo te ajudou e conte para nós qual é a sua área de atuação, o que faz ou pretende fazer dentro da Psicologia.